segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

gatas e manta de feltro


fotos de Regina Guimarães

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Ano bom como o Feltro

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Instalação de feltro em Arraiolos



“de cabeça para baixo” ou “de pernas para o ar”

Que nome dar a esta instalação? Tapete voador é o que me ocorre, pois alude aos tapetes de lã, também aos de Arraiolos, aqui de lã feltrada em vez de bordada, repousa sobre a nossa cabeça em vez de repousar sob os nossos pés, vela o céu em vez de esconder o chão, apresenta-se com a cor natural em vez dos tintos profundos, e parece levantar voo e levar-nos pelo bico, como cegonha a entregar o menino.
Mas se nos colocarmos de cabeça para baixo ou de pernas para o ar…


Ao criarmos uma narrativa, logo uma relação, em torno dos produtos artesanais que fabricamos, é nosso desejo colocar um grãozinho na engrenagem dos mundos onde tudo está à venda e colocar na mão de quem os frui um pedaço da história do saber fazer antigo e um bocado do prazer do fazer agora.
A ciência permitiu-nos tocar de perto aquilo que a poesia há muito suspeitava, a saber: a presença do infinitamente grande no infinitamente pequeno e vice-versa. E é também por isso que acreditamos que cada matéria é portadora de formas antigas, esquecidas, extintas ou silenciadas. Talvez seja portadora de futuras formas. Cada fio de lã transporta em si a memória da transumância, enquanto forma original de relação do homem com o território, do homem com os animais, do homem com a sua inesgotável solidão. Não se trata pois de ressuscitar passados, mas de apurar a nossa capacidade de escutar as coisas, a fim de que elas deixem de ser objecto de pura predação e as possamos transformar em bem comum.
[Regina Guimarães em Setembro de 2008, sobre a Oficina do feltro]


Festival Escrita na Paisagem 2010
Um projecto Colecção B - Oficina do Feltro
Coordenação: Diana Regal
Produção do Feltro e Montagem: Patrícia Galego
Montagem e Direcção técnica: Elisa Pinto

sábado, 5 de dezembro de 2009

terça-feira, 20 de outubro de 2009

terça-feira, 3 de março de 2009

ENTRUDANÇAS 2009 - Desfile com máscaras de lã feltrada



Fotos: Carlos Marques



No trabalho que a Oficina do Feltro desenvolve com a lã e com as plantas tradicionais aromáticas pretendemos evocar os caminhos da transumância, quando os rebanhos desciam da serra até ao alentejo, no inverno, à procura de novos pastos, fazendo o caminho inverso no verão. Períodos houve, na história portuguesa, em que a lã tinha um tão grande valor para a produção de têxteis que o Rei chegou mesmo a proibir o abate de ovelhas para a comercialização de carne.

No numeramento de D. João III, em 111 vilas “Damtre Tejo e Odiana”, as rendas sobre o “verde montado” são citadas em apenas quinze, a saber: (...) “Villa Decasevyr” (Casével), “Villa Douryque” (Ourique), “Villa de Crasto Verde” (Castro Verde), “Villa de Emtradas” (Entradas),( ...)

Assim, propomos uma nova utilização da lã, para produzir igualmente um têxtil, mas desta vez o feltro, através da recuperação e da reivenção das formas tradicionais de trabalho com a lã, nomeadamente no modo de fazer feltro, a partir, por exemplo, das práticas dos pastores mongóis, eles próprios praticantes da transumância.



Foto: João Bragança





Compra Culta

Artes da Terra


Comprar e comparar: eis duas palavras com a mesma origem latina. Não são longínquos os tempos em que cada compra merecia excursões a vários pontos de venda e muita conversa de mercar pelo meio. Ao criarmos uma narrativa, logo uma relação, em torno dos produtos artesanais que fabricamos, é nosso desejo colocar um grãozinho na engrenagem dos mundos onde tudo está à venda e colocar na mão de quem os adquire um pedaço da história do saber fazer antigo e um bocado do prazer do fazer agora. E que saber e prazer possam inspirar valores de uso e vontades de usar que não se esgotem no triste valor de troca...
A ciência permitiu-nos tocar de perto aquilo que a poesia há muito suspeitava, a saber: a presença do infinitamente grande no infinitamente pequeno e vice-versa. E é também por isso que acreditamos que cada matéria é portadora de formas antigas, esquecidas, extintas ou silenciadas. Talvez seja portadora de futuras formas. Cada fio de lã transporta em si a memória da transumância, enquanto forma original de relação do homem com o território, do homem com os animais, do homem com a sua inesgotável solidão. Não se trata pois de ressuscitar passados, mas de apurar a nossa capacidade de escutar as coisas, a fim de que elas deixem de ser objecto de pura predação e as possamos transformar em bem comum.
Regina Guimarães
Gola de lã não tratada, feltrada
Cinto em lã natural feltrada

Novelinhas


Novelinhas são fios e contos dobados em novelinhos de estopa com estórias de meninas enjeitadas, de lã branca com estórias de príncipes e princesas, de lã castanha com estórias do povo e de pêlo de cabra com estórias do diabo. As estórias fazem parte do repertório dos contos populares portugueses.

Sabonete de Feltro - sabonete de glicerina revestido com lã não transformada feltrada


segunda-feira, 29 de setembro de 2008

«moiras» no Fundão*

Em conversa informal, a Diana Regal da Colecção B contou-me um dia que estava a levantar um projecto de aproveitamento de lãs cuja utilização é tida como economicamente inviável. Uma Oficina do Feltro, inspirada em métodos ancestrais, embora não especificamente locais ou nacionais. Fiquei logo com vontade de fazer algo sobre e com essa vontade de fazer dela. A coisa veio a concretizar-se no passado Primeiro de Maio, em Viana do Alentejo, com a colaboração do coral feminino da vila. Este vídeo, realizado em parceria com o meu companheiro Saguenail, retrata um encontro entre feltradoras, cantadeiras e cineastas, sendo que nenhum destes grupos espera licença ou legitimação para fazer o que faz. Nesse sentido é um vídeo político. Este vídeo - e nada disto é por acaso - retrata uma espécie de ensaio geral para o que viria a ser a aventura de fabricar este tapete que pisamos neste momento, neste lugar. Mas não se trata apenas disso. Trata-se de falarmos, com os meios que temos ao nosso alcance, do saber fazer e do querer estar. Trata-se de fazer sonhar com um estar mais pleno, colectivo e comunitário. Trata-se de fazer desejar um estar fora de casa e longe do sofá onde se morre frente à televisão. E de um estar que convida à migração - coisa bem diferente da tão badalada flexibilidade na flexissegurança, injúria à inteligência que jorra da boca do nosso primeiro. Trata-se de convidar, não ao story-telling dos reality shows, mas aos diálogos que desconstroem a vida e aos contos que não deixam pedra sobre pedra. Tapete, pedra de canto, retomando uma expressão de Nemésio, que era um exilado de outras partes, como todos nós somos exilados do paraíso, com a agravante de termos sido despojados da utopia e privados de esperança num futuro melhor a fabricar com estas nossas mãos. Mas este tapete será pedra de conto, pois que se prepara para voar de palavra em palavra e de boca em boca. Canto do conto para fazer sair lobo e cordeiro da toca.

* Regina Guimarães em Setembro 2008

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Instalação "Os caminhos da lã" na Moagem, Fundão.


quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Oficina do Feltro na Moagem - cidade do engenho e das artes


















A Oficina do Feltro esteve no Fundão e fez com a Academia Sénior um tapete de grandes dimensões de 5mx6m. O tapete mostra-nos os antigos caminhos da transumância através da lã e suas utilizações nas diferentes "formas de fazer".

A instalação deste tapete realizar-se-á no dia 18 de Setembro de 2008, às 21h30, na Moagem do Fundão no âmbito do Festival dos Chocalhos em parceria com o Festival Escrita na Paisagem.









...e no fim comemos papas de carolo!


segunda-feira, 16 de junho de 2008

Quem vê o quê?

segunda-feira, 2 de junho de 2008

A Oficina reuniu...


para feltrar...



... e feltrou!

Na Oficina do Feltro também se fia!

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Aconteceu no 1º de Maio...






terça-feira, 27 de maio de 2008

Sabonetes



Sabonetes envoltos em feltro ecológico : para tomar banho, lavar as mãos ou pôr na gaveta...

Imagens com música

video